Festa dos Tabuleiros – 1600 crianças no cortejo dos rapazes

0

Mais de mil e quinhentas crianças coloriram as ruas da cidade na sua passagem em cortejo

De quatro em quatro anos a cidade de Tomar fica engalanada para receber a sua grande Festa e única em Portugal e no mundo a “Festa dos Tabuleiros”. Festas em honra do Espírito Santo, cujo culto a Rainha Santa Isabel instituíu, referem alguns investigadores que, estas festas assentram na base de antigas festas pagãs de oferta de oferenda aos deuses como a Deusa Ceres. Festa da partilha, organizada pelo povo, que escolhe o seu mordomo que o representa, em Tomar diferem das festas do Espírito Santo que a Época dos Descobrimentos levaram para os Açores, dado haver, em Tomar o transporte do tabuleiro com pão e ornamentado agora com flores de papel que as jovens vestidas de branco transportam à cabeça. A festa que tem o seu ponto mâximo no Grande Cortejo ee que este ano se realiza a 7 de Julho, no domingo antes deste grande dia, tem lugar o “Cortejo dos Rapazes” já que as crianças não podem incorporar o Grande Cortejo, mas tem o seu dia, para os despertar quando adolescentes para a tradição…

A Festa dos Tabuleiros, que se realiza de quatro em quatro anos em Tomar, no distrito de Santarém, começou este fim de semana com destaque para o desfile de 1.650 crianças, no Cortejo dos Rapazes.
Com o “ponto alto” da festa a acontecer no dia 07 de julho, com a saída de 748 tabuleiros (mais 58 que em 2015) – transportados à cabeça por raparigas trajadas de branco –, a Festa dos Tabuleiros, uma das manifestações culturais e religiosas mais antigas de Portugal, realiza-se por decisão da população, que se reúne um ano antes, iniciando os trabalhos de confeção das flores para os tabuleiros e para a ornamentação das ruas.
No fim de semana de abertura da festa, o destaque foi para o Cortejo dos Rapazes, tradição retomada na festa de 1991 e que reproduz, à dimensão das crianças, o grande cortejo dos Tabuleiros.
As crianças dos três aos dez anos, com as mais pequenas a transportarem “cestinhas” em vez de tabuleiros, saiu da Mata Nacional dos Sete Montes, perante milhares de pessoas a assistir e sob o olhar atento das educadoras e auxiliares e dos pais babados que viam na inocência dos filhos a alegria estampada de quando mais jovens levaram ou levam tabuleiro no Grande Cortejo. Lindo comovente, este cortejo. Há quem lhe dê tanto ou mais valor que o Grande Cortejo. Nele participaram crianças com necessidades educativas especiais ou com algum grau de incapacidade num gesto de inclusão total e como mostra a imagem ao lado de sorrisos estampados nos rostos. Foi uma alegria e uma “trabalheira” para os professores, auxiliares e pais, avós, familiares, mas no final uma alegria enorme e um recompensa total por o cortejo passar nas ruas da cidade, com milhares de pessoas a aplaudir, colchas nas jaanelas, pétalas a esvoaçar e muitas palmas. E na hora da benção quando na Praça da Repúblicoa o Padre Mário Duarte, mandou dar as mãos e rezar o Pai Nosso, houve o silêncio da oração e depois a alegria ao 3º toque do sino, todos ao mesmo tempo, levantar o seu tabuleiro, como irão fazer os “mais crescidos” no dia 7 de Julho.
Mobilizou as educadoras, professoras, auxiliares, os pais que suportam os custos da feitura do mini tabuleiro e das cestinhas e dos fatos dos seus meninos e da área de todo o concelho.
São assim as Festas de Tomar é assim esta mística tão tomarense!
A cidade de Tomar vive no ano da Festa dos Tabuleiros um movimento de agregaçã do povo única. É extensivo às outras dez freguesias ditas rurais e, todas querem paraticipar na Festa e passam-se meses a fazer flores em papel. Vale a pena visitar Tomar e tirar uma semana de férias para viver esta atmosfera! A diáspora tomarense que se estende da Europa aos EUA e Canadá, faz tudo para estar presente. A par dos tabuleiros as ruas ornamentadas, o Cortejo do Mordomo e os Cortejos Parciais dos Tabuleiros a 06, dia em que se disputam as finais dos jogos populares e se expõem os tabuleiros na Mata dos Sete Montes (de acesso ao Convento de Cristo), com o grande cortejo a acontecer no dia 07, encerrando a festa no dia 08 de Julho, quando é feita a distribuição do Bodo ou Pêza, pontos altos da festa.

CULTO DO ESPÍRITO SANTO
Refere o estudioso tomarense e ilustre advogado – Godinho Granado “A Rainha Santa, D. Isabel de Portugal, referem que trouxe de Aragão sua terra em Espanha, as novas doutrinas do cristianismo. Na época difundiram-se elas por todo o reino com a criação de irmandades por todos os lugares, cidades, vilas e aldeias e com a expansão do culto em liturgias festivas de que se perdeu a tradição e memória em muitos locais, mas que subsistiram e se conservaram em outros, designadamente nos mais importantes domínios templários e que os navegadores e povoadores levaram e implantaram nas ilhas dos Açores e da Madeira.
O culto do Espírito Santo materializava- -se numa procissão que integrava o imperador e três pajens transportando as três coroas, a representar a Santíssima Trindade. Com estes rituais subsiste no Penedo de Sintra, Colares, Açores e Madeira, enquanto em Tomar evoluiu para o predomínio da espectacularidade do tabuleiro em longas filas processionais de largas centenas, num florilégio esplendoroso de luz e de cor.
O Infante D. Henrique, nos caminhos dos mares incógnitos à descoberta de novas terras e de novas gentes, transporta consigo o culto do Espírito Santo que navegadores e povoadores implantam nas terras dos Açores e da Madeira, onde se enraizaram até hoje”. Dada a sua complexidade, e custos a festa realiza-se de quatro em quatro anos.

ANTÓNIO FREITAS (TEXTO E FOTOS)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here