O pequeno vai para a escola! E agora?

0

 Entrar para o 1º ciclo é entrar num mundo novo, o que não necessita de ser um bicho-de-sete-cabeças, afinal é apenas mais uma etapa. Não existem receitas perfeitas e esta mudança deve ser encarada como mais uma transição que a família terá de enfrentar. No entanto, são inevitáveis as angústias, receios e anseios dos pais sobre a integração dos pequenos. Assim, como é normal questionarem-se sobre “será que vão ter sucesso na escola?”  ou “será que a família vai ser capaz de os ajudar a ter esse sucesso?”.

Uma integração agradável é o inicio do caminho para a motivação da criança e consequente sucesso na vida escolar. E como é que vocês pais, podem ser facilitadores desta integração?
Antes do início das aulas transmitam aos pequenos uma visão positiva de todo o contexto (por ex.: contem aventuras positivas dos seus tempos de estudantes); descrevam a escola como um espaço agradável e seguro onde poderão brincar e também aprender coisas novas e úteis para ajudar em casa; falem sobre os novos professores que lhes ensinarão essas coisas; relembrem-lhes que irão reencontrar os amiguinhos do jardim e talvez fazer novos; e elogiem-nos pois só vão para a escola porque estão crescidos. Evitem transmitir-lhes as vossas ansiedades, de fazer o jogo da recompensa – “vais às aulas e recebes aquilo” pois se ir à escola é bom porquê a recompensa?!; e evitem o discurso do medo – “agora é que vais ver”, “ou te portas bem ou a professora põe-te de castigo”, “a escola é para aprender não é para brincar”.
Ajudá-los na escola não é substituí-los nas suas tarefas de casa para terem os trabalhos melhores, mas passa por proporcionar-lhe novas experiências e desafios, reais e sensoriais, que integrem as aprendizagens recém-adquiridas. Neste sentido, os conhecimentos lecionados no 1º ano são facilmente incorporados nas dinâmicas da vida familiar. Pode pedir ao seu pequeno para soletrar os nomes das placas informativas, para o ajudar a fazer a lista de compras ou ler-lhe uma receita. Peça-lhe para contar os lugares à mesa ou coloque-lhe alguns problemas matemáticos (p.ex: “se tivermos 5 maçãs e 3 pêras, quantas frutas temos?”). Aproveite as lições de estudo do meio para passear ao fim de semana e vá conhecer rios e serras, visitar castelos e museus, ou vá simplesmente observar os animais e as plantas na natureza… Vivão estas experiências em conjunto e de certeza que o seu pequeno vai ficar mais motivado para a escola.
A transição para o 1º ciclo é para a maioria das crianças pacífica, mas elas apercebem-se das expectativas que adultos criam em torno deste momento, o que faz com que não queiram desiludir quem amam, e o que pode lhes acrescentar alguma pressão difícil de gerir.
A expectativa do adulto é que a criança passe a ser bem-comportada e tenha boas notas, esquecendo-se muitas vezes a sua satisfação e amadurecimento no domínio sócio-afectivo em prol de critérios académicos. À criança, quase se transmite a ideia que perdeu o direito de brincar pois “está lá é para aprender” e que deixou de ser criança para ganhar apenas o estatuto de “estudante. E isto porquê? Porque como adultos seres sociais e culturais, sobrevalorizamos o tal ansiado conceito de sucesso. Para além de que, cada vez mais os estudos referem que sucesso académico nem sempre é reflexo de ter sucesso na vida, pois a vida é muito mais.
Para que tenham sucesso na vida escolar e na vida em geral não vamos esquecer a saúde, quer física quer mental. Devemos promover hábitos de vida saudáveis facilitadores de uma boa aprendizagem. Escolhemos 4 tópicos da saúde a não esquecer neste regresso às aulas:

Alimentação:
– Pequeno-almoço em família sem stresses, nem correrias;
– Refeições principais completas e variadas, incluído sempre legumes, hidratos de carbono e proteínas de qualidade (tentando alternar os pratos de carne e peixe);
– Doces, batatas fritas, molhos, bolachas e sumos (todos) são a exceção e jamais a regra;
– A água é a bebida mais fantástica que existe;
– Pãozinho com queijo/ fiambre/manteiga ou a peça de fruta/cenouras/tomate cheri são um ótimo snack (nutricional e economicamente) para os lanches do meio da manhã.
– higiene oral cuidada, pelo menos 2x por dia (uma das vezes obrigatoriamente antes de deitar)
Um Sono de qualidade é imprescindível para o crescimento dos os músculos e ossos, para a memorização, a concentração nas aulas, para que consigam resolver problemas e ter novas ideias.  Tv’s, computadores, telemóveis e outros aparelhos electrónicos são dispositivos que não devem habitar no quarto. As horas de sono devem ser adequadas à idade.
Aos seis anos, o local de estudo pode, muito bem, ser a cozinha com a TV desligada enquanto se faz o jantar. Pois ainda têm muitas dúvidas, pelo que o ideal é os pais estejam por perto. Mais tarde poderão mudar para outro local preparado para tal. O local ideal deve ser arejado e iluminado, os pés não devem ficar em baloiço e as costas da cadeira devem ser flexíveis. Não deve ser a mesa baixa da sala, o sofá ou a cama.
A mochila deve ter alça larga, se possível presilha à frente e ir até à linha da cintura. Ao arrumar os pesos maiores ficam na vertical, ao longo do eixo da coluna, devendo evitar-se que andem com coisas desnecessárias. A mochila deve pesar só até 10% do peso da criança.
Ser uma criança saudável significa ter tempo para esfolar os joelhos, correr, saltar, andar de bicicleta, jogar à bola, ao mata, à corda, à macaca e tudo que os faça mexer. Pois as crianças estão a perder competências de motricidade o que influenciará a saúde dos seus músculos e ossos. Isto potencia também o bem-estar emocional e as competências sociais essenciais à integração na escola
Concluindo, não se esqueça ELE AINDA É CRIANÇA. Necessita de brincar e criar histórias de lutas e princesas, de fadas e dragões. Esteja sempre presente e atento. Não proteja demasiado. Incentive-o a falar sobre a escola. Organize a rotina. Evite que assistam a conflitos e discussões familiares. Mantenha a família por perto, e avós podem ser uma bela ajuda. Lembre-se que nem todas as crianças aprendem ao mesmo ritmo. DÊ PRIORIDADE À PESSOA QUE O SEU FILHO É E NÃO AOS RESULTADOS QUE OBTÉM. O esforço deve contar mais que o aproveitamento e o reforço positivo é sempre importante. E talvez o mais importante que tudo, seja firme… MAS CONTINUE A RELEMBRÁ-LO TODOS OS DIAS QUE O AMA E QUANTO ELE É IMPORTANTE PARA SI…
Bom ano escolar,
Enfª Sandra Costa
(Enfª Especialista em Saúde Infantil e Pediátrica da Unidade de Cuidados na Comunidade Maria Dias Ferreira)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here